Efeito Boomerang

Toda a ação tem uma reação! Já deve ter ouvido as estas palavras: tudo o que semeias colhes. Será verdade?

A ciência mostra-nos que os nossos pensamentos e os nossos sentimentos emitem uma determinada vibração que irá magnetizar de igual forma ou com maior intensidade situações semelhantes a esses mesmos sentimentos e pensamentos. Nós não somos vítimas da sociedade e da maldade dos outros. Somos vítimas de nós mesmos! Somos nós que criamos essas realidades. Se acreditamos que a sociedade é injusta, que as pessoas são invejosas temos de ter a noção que a vida é apenas um espelho destes mesmos pensamentos que temos, trazendo para a nossa realidade material situações que irão ao encontro do que acreditamos.

O Dr. David Hawkins médico psiquiatra, calibrou em Hertz uma espécie de mapa pontuando e revelando em qual frequência encontra-se cada sentimento que é produzido pela consciência humana. Desenvolveu numa escala, através da qual podemos analisar as nossas emoções.

No seu livro “Power vs. Force”, Hawkins menciona que:

“Embora apenas 15% de toda a população do mundo esteja acima do nível crítico 200 de consciência, a força coletiva desses 15% tem o peso para contrabalançar a negatividade dos 85% restantes da população mundial. Devido ao fato da escala de força avançar logaritmicamente, um simples Avatar em um nível de consciência de 1.000 pode, na verdade, contrabalançar totalmente a negatividade coletiva de toda a humanidade. Um indivíduo que vive e vibra na energia do otimismo e da disposição de não julgar os outros (nível 300) irá contrabalançar a negatividade de 90 mil pessoas que estão calibradas nos níveis mais baixos de força.

É muito importante, quer seja para a nossa evolução quer seja para a melhoria da nossa sociedade, fazermos uma análise dos nossos pensamentos e emoções e atrevermo-nos a altera-los para consequentemente aumentarmos a vibração que emitimos. Assim, passamos de um estado contraído em que não nos chegam oportunidades, para um estado expandido da nossa consciência em que nos sintonizamos com as oportunidades naturais que o nosso planeta tem para nos oferecer.

É um pouco difícil acreditar ou aceitar esta forma inovadora de analisar a vida, pois durante séculos foi-nos incutido que somos vítimas da maldade dos outros, impotentes, que devemos sofrer sem exigir mais da vida. No entanto atrevo-me a escrever que, se estudarmos (bem), antes de rejeitarmos uma nova proposta, temos a oportunidade de mudarmos incrivelmente as nossas vidas.

Um abraço,

Patrícia Moreira