Está a fazer com que (você mesmo!) não ganhe dinheiro?

Será que o que você pensa, está a fazer com que não ganhe dinheiro?

Já ouvimos comentar: “porque é que algumas pessoas têm tanto sucesso, tudo o que tocam “vira ouro” e outras parece que tudo corre mal e nada dá certo?

O dinheiro é um assunto estudado por economistas, mas também por antropólogos, sociólogos e psicólogos. Os psicólogos interessam-se pelas atitudes assumidas perante o dinheiro, pelo porquê e o como as pessoas se comportam de certas maneiras em relação ao dinheiro e na posse dele. Também sobre o efeito que este exerce sobre as relações humanas.

Mas então, o dinheiro é apenas uma sobremesa de uma boa vida ou o destruidor implacável do amor e da felicidade?

O dinheiro em si é, por natureza, inerte! É aquilo que faz e nada mais. Rubinstein (1981) estudioso do significado do dinheiro diz-nos que as pessoas têm tendência a agir em função das crenças que têm em relação às tendências futuras no que diz respeito à poupança, gastos e investimento. T. Harv Eker autor do livro “segredos da mente milionária” diz-nos que “o meu mundo interior cria o meu mundo exterior”, que cada um tem o seu “modelo de dinheiro” que é na prática a sua programação mental (o seu alicerce) em relação às finanças.

Sabemos que o fator que cria esta programação mental é aquilo que ouvimos desde a infância, acerca das pessoas ricas, o valor das coisas e impostos. Sabemos que o que ouvimos de pessoas que nos dizem muito emocionalmente ou que são para nós figuras de autoridade, funciona quase como uma ordem, formando um alicerce. Dependendo dos alicerces que temos, podemos ter uma mente voltada para a prosperidade, para uma vida mediana ou vida de escassez, ou uma mescla de padrões, vivendo altos e baixos financeiros.

Analise estas crenças:

  1. Nunca vou conseguir dinheiro suficiente
  2. Não tenho dinheiro para nada
  3. Só é possível ganhar dinheiro fazendo coisas erradas
  4. Eu não mereço sucesso ou coisas boas
  5. É melhor dar do que receber
  6. Sem trabalho duro não se consegue nada
  7. Estou destinado a este tipo de vida porque essa é a situação da minha família e por isso, é a minha.
  8. O mundo está em crise e tudo está muito difícil para mim
  9. Não é possível viver do que se gosta fazer
  10. Dinheiro não traz felicidade
  11. Dinheiro é sujo

Se pensa de igual forma á maioria delas, atreva-se a questionar a sua maneira de pensar, pois estas crenças estão a limitar a sua prosperidade financeira.

Quando somos adultos podemos escolher mudar essas crenças limitadoras e formar novos alicerces. Sabemos que se mudarmos os nossos pensamentos, os sentimentos e as ações acerca do dinheiro e que se estes 3 fatores estiverem alinhados na mesma direção, os resultados serão de uma maior prosperidade financeira.

Stephen Cover autor do livro os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes diz-nos que: 10% do que acontece na nossa vida não controlamos, no entanto os 90% que vêm depois, ou seja, a nossa reacção a esses 10% é controlada por nós e isso define o nosso destino, a nossa vida. Em boa verdade, o destino está nas nossas mãos, nas escolhas que fazemos em todos os sectores da nossa vida.

Foto: pesquisa Google